quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Despedida

Mudamos. A obra acabou. Quer dizer: sempre ficam umas coisinhas pra resolver, uns ganchinhos pra instalar, uns retoques na pintura.

Fiquei meses longe daqui porque meu assunto agora é a Emília. Mas não podia deixar de passar por aqui para encerrar este blog com um relato sobre a última visita do mestre de obras ao apartamento.

Ontem seu João foi lá terminar umas coisinhas que ficaram faltando. Consertar o chuveiro que ficou vazando, instalar os eletrodomésticos... Como ele tinha cobrado barato na obra, mamãe sugeriu deixar um extra pra ele.

Confesso que não estava muito disposta a ser tão generosa. A obra atrasou, várias coisas ficaram mal feitas. Mas grande parte do problema foi justamente porque ele cobrou muito pouco, e no fim da obra não havia mais dinheiro pra manter homens trabalhando. Problema dele? Pode ser. Mas minha mãe lembrou: "ele é pobre, esses homens todos são pobres".

Ontem ele instalou a lavadora, a lava-louças e o fogão. Carregou muito peso, porque o buraco onde se encaixa a lavadora é todo fechado, e teve de montar e desmontar a parede do armário ao lado pra poder mexer na tubulação. Depois de terminar, a Bel deu o cheque pra ele, mas ele parece que não entendeu, não leu, não viu.

Meia hora depois, ele liga.

- Isabel, esse cheque é pra mim mesmo?
- É, seu João.
- Eu fui pôr gasolina, que meu carro tá sem gasolina... agora que eu vi. Obrigado, Isabel. Foi o melhor presente de aniversário que eu ganhei. Faço 54 anos agora sábado. Obrigado, Isabel.

Nessas horas a gente se lembra do que é realmente importante: pessoas, não coisas. Muito melhor que massacrar um pobre coitado por causa de algo que sumiu (ainda mais considerando que várias pessoas passaram pela obra) é reconhecer o trabalho duro de um homem que vai fazer 54 anos e ainda não tem dinheiro pra pôr gasolina no carro.

Houve problemas. O piso do banheiro de empregada ficou bem manchado, sumiu a capa da duchinha do banheiro da suíte e ficaram faltando dois ganchinhos cujo paradeiro se desconhece. Mas o apartamento ficou lindo, do jeito que a gente queria: colorido, alegre, aconchegante. E Seu João trabalhou muito.

Encerro minha participação neste blog dizendo que nada é grave. É muito comum, durante uma obra, acharmos que o mundo vai acabar. Mas os prejuízos, os imprevistos, fazem parte do processo. A gente pode tentar minimizá-los, mas querer chegar ao nível da perfeição vai nos enlouquecer. E, no final, ninguém percebe aquilo que você achou que ficou super mal feito.

O que faz um lar não é o granito, o porcelanato, a torneira de mil reais. O que faz um lar é a capacidade da família que lá habita de receber os outros com humanidade. E concluo esta experiência com uma certeza: eu e minha arquiteta, e meu marido, e minha mãe, e meu pai, e todos os que nos ajudaram, construímos um lar.

+++
OBS: Vou tentar retornar aqui, ou pedir pra Bel fazer isso, para postar as fotos de como ficou o apartamento.

6 comentários:

  1. É isso mesmo. As coisas só são feitas porque tem pessoas envolvidas no processo. E vc mostrou claramente como isso é importante. O que "some" não é nada perto da humanidade e da humildade de quem fica. E pode ter certeza que vc ganhou em dobro. Pelo AP lindo e tmb pelo gesto de carinho com o outro.

    Bjsssssss e curta muito a sua casinha.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal isso, Lia!
    Eu aprendi a me revoltar só contra grandes instituições, lojas grandes etc. Quando são pessoas, prestadores de serviço, não dá para cobrar tanto, ainda mais quando eles cobram barato e, como vc viu, reforma é assim mesmo: os prazos e o orçamento sempre estouram. Não sei se teria coragem de me meter em uma reforma, estou penando para arrumar coisinhas no apartamento que nem é meu e já me estresso.
    O importante mesmo são as pessoas, vc disse tudo. Vamos parar de pensar só no financeiro, nas cifras e olhar os indivíduos, a comunidade em torno.
    Que vcs sejam muito feliz neste novo LAR!!

    ResponderExcluir
  3. Eu queria dizer que tantas vezes nessa obra, quando eu era incopetente (e ainda sou), ou esquecida, ou desligada, ou inesperiente, eu me senti tratada como gente (como com o seu João), amada como irmã. Vcs foram muito generosos comigo em tantos sentidos...tanto profissionalmente quanto afetivamente. Eu nem tenho como agradecer. Vou voltar pra postar os antes e depois, tenho que pegar as fotos com a mamãe. Amo-vos.

    ResponderExcluir
  4. ai, sim! quero fotos!
    de antes e depois e tudo o mais. pode?

    beijos

    ResponderExcluir
  5. "nada é grave" é dito de gente espiritualizada e cheia de amor, coisa de mãe boa.

    ResponderExcluir
  6. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir